Telefone: (31) 3450-1000 • tecnolube@tecnolube.com.br • Skype: tecnolube1993

Como escolher o lubrificante industrial ideal?

À medida em que os fabricantes das máquinas buscam testar os limites de desempenho das mesmas, para aumentar a produtividade e reduzir o tempo de inatividade, os fornecedores são procurados para oferecer soluções cada vez mais criativas.
Uma das maneiras mais eficazes e simples de atingir esses níveis de desempenho costuma ser esquecida: lubrificação adequada.


Escolher o lubrificante certo pode ser uma tarefa especialmente complicada.
Antes de fazer uma seleção, é aconselhável consultar um fornecedor que possa ajudá-lo a responder às questões sobre sua aplicação.
Existem requisitos técnicos gerais que todos os lubrificantes devem atender, como redução do atrito e desgaste, protegendo contra a corrosão, dissipando calor e proporcionando um efeito de vedação. Mas, dependendo das condições operacionais e processos de fabricação, os lubrificantes também podem ser fornecer uma série de propriedades adicionais.
Com tantas variáveis, escolher o fornecedor de lubrificante certo é tão importante como escolher o lubrificante certo.

Óleos, graxas, pastas e ceras representam as categorias mais comuns de lubrificantes industriais. Normalmente, um óleo lubrificante contém 95% de óleo de base (na maioria das vezes óleos minerais) e 5% de aditivos. As graxas consistem em óleos lubrificantes básicos que são misturados com um sabão para formar uma estrutura sólida. Pastas contêm óleos básicos, aditivos e partículas de lubrificantes sólidas. Finalmente, ceras lubrificantes são compostas de hidrocarbonetos sintéticos, água e um agente emulsificante, que se torna fluido quando um certo nível de temperatura é excedido.

Fatores que influenciam a seleção

O principal requisito para selecionar o lubrificante adequado é a viscosidade do óleo básico. A fim de selecionar a viscosidade apropriada, é necessário coletar informações sobre sua aplicação, incluindo:
• Velocidade operacional (variável ou fixa)
• Tipo específico de fricção (por exemplo, deslizamento ou rolamento)
• Carga e as condições ambientais
• Padrões industriais
Por exemplo, alguns lubrificantes, como óleos PAG (polialquilenoglicol), são bons para o atrito de deslizamento, mas não são adequados para atrito de rolamento. Da mesma forma, os óleos PAO são usados para fricção de rolamento e podem lidar com algum atrito deslizante, enquanto os lubrificantes de silicone e PFPE (perfluoropoliéter) são normalmente usados para temperaturas extremamente altas.

Erros comuns
Durante a fase de coleta de informações, os proprietários de equipamentos muitas vezes cometem o erro de ignorar alguns detalhes básicos da aplicação que pode ter um impacto significativo sobre o resultado da performance da lubrificação. É importante fornecer o máximo de informações possível e ser específico, com isso, ajudará a identificar o lubrificante mais adequado para a tarefa.
Outro erro comum que os proprietários de equipamentos cometem é escolher um lubrificante baseado exclusivamente no preço. É certo que existe uma vasta diferença no preço de um lubrificante sintético ou especial e um lubrificante de uso geral, ou até mesmo entre fabricantes diferentes. Alguns lubrificantes sintéticos ou especiais são 50 a 500 por cento mais caros do que os de uso geral, mas o preço por quilograma não deve ser o único fator determinante na seleção.

Fatores adicionais a serem levados em consideração são:
• Custos operacionais reduzidos resultantes de menos tempo de inatividade
• Melhor utilização da mão de obra (menos tempo necessário para relubrificação e manutenção)
• Economia de energia mensurável e aumento da produção

Em última análise, o primeiro passo para escolher o lubrificante certo é escolher o fornecedor certo. Eles podem ajudá-lo a tomar decisões qualificadas sobre lubrificar seu equipamento, fornecer documentação e dados que demonstram a qualidade do produto. Conte sempre com a Tecnolube para isso!

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados